31.1.12

Bonamassa


Mais um dvd do Bonamassa vindo aí. Pelo trailer - e como não podia ser diferente - aquele habitual blues rock de alto nível. Nesse ele recebe Beth Hart (lançaram um cd juntos no fim do ano passado), John Hiatt e Paul Rodgers. Gravado no Beacon Theatre, em NY, parece imperdível, como o anterior ao vivo no Royal Albert Hall.

Esperanza


E esse novo da Esperanza?

Não curti o último, Chamber Music Society, pela direção musical. Não bateu bem, desceu quadrado. Mas esse novo, a começar pelo título - que troca a música de câmara pela de rádio - pode cair bem. Vamos ver.

PG 3D


Peter Gabriel no iPhone? Em 3D?

30.1.12

VH

Mais uma do Van Halen. E tá ficando bom.

Stones



Pra começar a semana: Shine a Light, com a participação da Bonnie Raitt -- bônus que vem naquele box da Bigger Bang Tour. É o que chamam por aí de musicão.

E a turnê dos 50 anos? Cadê?

27.1.12

tocavideos


Em breve, lá no tocavideos, vídeo do Cícero. Fomos para a Av. Rio Branco na sexta passada, feriado no Rio, e gravamos uma de suas músicas do disco Canções de Apartamento. Antes disso, fiz o dever de casa: baixei o álbum, que dá pra pegar no site dele. Depois falo de como o disco bateu bem com uma onda que remete claramente a algo dos Hermanos, mas também Moska e outros bambas da MPB. Outro que fizemos recentemente foi com a cantora Luiza Sales, que está com seu primeiro cd no forno. A ideia dela foi usar como locação o terraço do estúdio aonde gravava. Fomos na sugestão e o resultado você vê abaixo:

25.1.12

Reunião



Novo


Mike Portnoy não para e tem montado inúmeros projetos depois que largou o Dream Theater. Nem todos valem - o Adrenaline Mob está fraco, por exemplo, mas o Flying Colors, que já falei aqui, promete. Agora ele anuncia um que pode surpreender, ao lado de Billy Sheehan e Richie Kotzen. A ideia inicial era ter John Sykes, mas não foi pra frente. É nesse que aposto boa parte das minhas fichas. 

24.1.12

Agenda


Lá em SP, a turma boa do Bixiga 70 faz show gratuito na Escola São Paulo, na Augusta. É amanhã, 13h, para 300 sortudos. Quem chegar, chegou.

Bon Jovi + Bon Iver



De onde saiu isso?


21.1.12

Todas as cores


E o Dear Hunter postou no Facebook que, no dia 9 de maio próximo, tocará o Color Spectrum na íntegra. One Night Only. Inacreditável. Trinta e seis músicas enfileiradas dessa viagem pessoal do Casey Crescenzo, que foi uma das melhores coisas de 2011.

20.1.12

Metallica


Eu tinha passado batido nessas sobras do Death Magnetic que o Metallica soltou há pouco tempo. Fui, por acaso, no youtube ver essa Rebel of Babylon e, olha, que pedrada. Tudo isso acabou virando EP, o Beyond Magnetic (capa acima). E aproveitando o assunto: Death Magnetic quando saiu soou como um disco entre o And Justice For All e o Black Album, pois era complexo, quebrado, mas também acessível e com apelo. Eles mesmo falaram sobre isso e os próprios fãs pescaram as referências, os dois lados pescaram. E o que é interessante é que Kirk Hammet (ou Lars?) esses dias disse que naturalmente o próximo disco se conectará com o disco preto, dando uma sequência no raciocínio. Promete.

19.1.12

ELIS


A Renata fez um especial Elis lá no blog dela pegando carona numa matéria que escreveu pra Folha.  De charme e beleza inigualáveis, Elis me conquistou com essa aqui: 



E foi num 19 de janeiro que Elis subiu.

18.1.12

DOC

Pouco me interessa o som do LCD Soundsystem, mas esse trailer do filme sobre o último show do grupo está excelente. Parece muito bem dirigido e assim emocionante, épico, para quem é do universo deles. Quero assistir e isso me faz pensar o quão bom vem sendo essa leva de filmesdocumentáriosmusicais dos últimos anos. O do Rush foi espetacular, até para quem não é fã, com um trabalho caprichado em cima de Geddy, Neil e Alex. No fim de semana assisti PJ20, que tem Cameron Crowe colocando uma lupa na história do Pearl Jam de forma brilhante e bonita. Esse do U2 que saiu no fim do ano passado, das gravações do Achtung Baby, também é de primeira linha. E tem muito mais rolando. Mas olha o trailer aí embaixo, tem algo.

MM

Marcus Miller preparando disco novo. Tá bonitão isso aí.

17.1.12

BIXIGA 70



Que demais essa onda do Bixiga 70, grupo de São Paulo que mistura afro beat, black music e jazz com a ginga brasileira. Dá pra pegar o disco lá no site deles.

13.1.12

da Noruega


Esse Jarle Bernhoft, da Noruega, estava abrindo os shows do Ben L'Oncle Soul na França, no fim do ano passado. A queridíssima e sempre atenta Lela viu lá e passou a bola por email - um vídeo em que o Bernhoft exibia-se numa viagem solo alto nível soltando umas programações na hora e cantando em cima, dobrando linhas. Coisa de louco.


Depois o Say veio e disse que o tal noruguês era realmente muito bom e merecia um download. Fui atrás dos discos, peguei dois: Ceramik City Chronicles, de 2008, e Solidarity Breaks, do ano passado. Não paro de ouvir desde ontem. Tem muito groove, muita coisa de soul, com acento pop forte e ainda umas baladas dignas de uma FM de bom gosto. É um som que dá para ser tanto trilha do almoço de sábado em casa quanto de uma festa sexta à noite. Bernhoft canta muito, alterna voz fortes com alguns momentos de falsete cristalino. Não catei infos das gravações, mas acredito que ele toque tudo ou quase tudo nos álbuns. No clipe abaixo, ele brinca de ser a banda toda.


Está crescendo a turma que já tem Mayer Hawthorne, Cee Lo Green, Ben L'Oncle Soul, Jamie Lidell, Michael Kiwanuka, Gotye, Jamie Woon e por aí vai. Tem muito cantor pop - bebendo na inesgotável fonte do soul ou não - bom hoje e isso é ótimo. É gente que veio pra ficar mesmo. Mas o time das meninas está ficando pra trás com essa coisa de foco só na Adele. Se bem que o Rafael está encantando com a tal da Lana del Rey, que tem algo de musa, sim. Ele fala lá no Espístolas disso.

12.1.12

Zep

O Michael Kiwanuka pegou Whole Lotta Love, do Led, e fez uma versão de luxo.

11.1.12

Flying Colors


Não sei quanto ao Dave LaRue, que não sei muito por onde andava, mas esse Flying Colors é uma grande oportunidade para o Steve Morse deixar a mesmice do Purple dos últimos anos; o mesmo para o Neal Morse em sua carreira solo; e, sobretudo, Mike Portnoy conseguir algo realmente relevante depois da sua saída traumática do Dream Theater. A primeira frase do texto de apresentação no site da banda diz que o grupo envolve músicos virtuosos e versáteis junto com um cantor pop, esse Casey McPherson que completa o time. Em outro momento do texto, Casey fala de pop, folk, prog e metal para sugerir as referências da banda. Na produção? Peter Collins, produtor com escola e trabalhos com Rush - entre eles um dos meus favoritos, o Counterparts - Bon Jovi, Queensryche e outros. Acho que tem futuro, tem coisa boa para sair daí.

Por eles:

10.1.12

++ VH

Taí o primeiro single do Van Halen, em 2012. A música bateu bem - é solta, divertida, tem groove, Dave tá bem, Eddie muito bem no solo e nos riffs. Pode ser um ótimo aperitivo para o tal álbum, A Different Kind of Truth, que sai agora no começo de fevereiro. E o mais importante: seja fake ou não, parece que a banda está se divertindo e isso é total VH. O video é o esquema clássico dos clipes da banda: uma apresentação pras câmeras.

7.1.12

+VH



São 30 segundos e isso é pouco, quase nada, para começar a dizer algo sobre álbum. Mas sejamos francos: isso está promissor. Será que 2012 é o ano de uma bela volta do Van Halen? Estou com as fichas na mesa.

6.1.12

VH 2012


E ontem teve o tal show fechado do Van Halen mesmo. O Blabbermouth tem os detalhes. Até aí tudo bem, afinal teve turnê em 2008. A questão é se o disco vai sair - e parece que vai, já tem até single disponível na Amazon. Ó a capa aí.


addendum: breaking news, tem um trecho do single aqui.


5.1.12

chega mais


Baita música essa Come Closer do Chickenfoot. Sammy está muito bem aí. Aliás, depois quero falar das diversas fases da voz do Sammy. É impressionante como ele vai se ajustado e isso vem lá da carreira solo, da época do Montrose. Sem contar que ele chegou no Van Halen já quase nos 40 e alcançando umas notas inacreditáveis. Coisas que ele nem fazia antes. Mas por enquanto escuta essa aí.



Enquanto isso, do outro lado, parece que a volta do Van Halen é séria. Hoje parece que tem show para imprensa.

4.1.12

SOUL


Enquanto o disquinho não sai - tá previso para abril- dá para ouvir umas coisas do Kiwanuka aqui nesse link. Tem um apanhado aí do que saiu em EPs. Vem coisa boa aí sem dúvida, olha a classe do camarada.

2.1.12

Korn

O novo cd do Korn vem com um dvd bônus chamado The Encounter. Vamos lá, o cd pode não ser tão importante assim, mesmo que o grupo esteja numa tentativa de renovar as ideias, flertando com dubstep, música eletrônica e nomes dessa nova cena, como o Skrillex, por exemplo, se você não os segue. Mas a grande sacada aí é o tal vídeo, que foi feito em 2010 para a ocasião do disco anterior e que somente agora ganha um formato oficial e com mais coisa no meio - imagens das gravações do último trabalho, por exemplo. The Encounter é uma experiência audiovisual de alto nível para quem gosta de peso e, obviamente, é prato cheio para os fãs.

Explico: influenciado direta e claramente pelo Live at Pompeii, do Floyd, esse filme registra o Korn tocando no meio de uma plantação, com direito aqueles crop circles, numa clima de superprodução cinematográfica. Com uma direção brilhante, o filme é espetacular e, além do visual, mostra o Korn melhor musicalmente - mais solto, criativo e direto. Bom ver que a banda se preocupou e rearranjou uma música ou outra, mudou harmonias, deu um toque aqui outro acolá. Veja abaixo Falling Away from Me e tire suas próprias conclusões. Outro destaque é Ray Luzier, o novo batera. Com técnica apurada e de grande habilidade, ele é responsável por boa parte da mudança sonora com certeza, vindo de escola fusion e fazendo diferença ao substituir o anterior David Silveria. Gostem ou não, o Korn ainda respira.