25.11.11

folk rock


Surpresa boa essa turma do The Decemberists com o disco The King is Dead. Essa Rise to Me bateu muito bem, mas vale a pena pegar o disco, que desce bem e melhora a cada audição. Tem uma onda folk boa no ar, uma musicalidade esperta e a participação do Peter Buck do REM. São melodias bonitas com vocais dobrados, bem cuidados, amarrados. Sinto falta disso em muita coisa nova que tem por aí no mainstream.

23.11.11

E essa San Jacinto?

Essa é a San Jacinto com o arranjo novo, orquestral, de John Metcalfe. Aliás, belo arranjo, acertaram em cheio. Tem algo de bom no caminho que eles buscaram para essas músicas orquestradas, coisa que vem desde o Scratch my Back que, se não tinha o brilho das composições próprias, trazia bons covers e uma coisa diferente, nova, pelas mãos de Peter Gabriel. No texto que acompanha a nova edição, PG diz que ele e Metcalfe não queriam o caminho dos arranjos com aquela estética de cinema e tentaram outra onda. Dá pra pescar isso ao ouvir o trabalho.

Sem dúvida, San Jacinto é uma das melhores músicas de PG, desde os pacientes e meio tensos primeiros versos até explodir no I hold the line quando entra naquela parte especial. Play aí que faz bem.



21.11.11

na mala


De volta, depois de uns bons dias fora de órbita, e, em cima aqui da mesa na empresa, a matéria do Peter Gabriel na Revista O Globo dias atrás, com o seguinte: "o mundo está muito rápido e tudo que é mais calmo me interessa". É meio por aí mesmo, está tudo muito rápido, conectado, urgente e chega uma hora que é preciso dar uma desligada.

Depois dessa volta de apresentação, vou tentar falar algo do espetacular show do Elbow que vi em Paris, no mesmo lugar que vi, um dia depois, o Pain of Salvation numa apresentação empolgante - mais roqueira e menos prog - e um pouco do Opeth.

Na mala, muita coisa nova. Ontem, enquanto abria os brinquedos e lia alguns encartes, assisti algo do novo show do Peter Gabriel - embalado numa edição de luxo alto nível - e teve uma San Jacinto arrebatadora. Outros dvds que dei play por alto e bateram bem foram Black Country Communion, o tal supergrupo com Glenn Hughes e Jason Bonham, e o do show de Eric Clapton e Steve Winwood relembrando o Blind Faith. Também dei continuidade à jornada Dylan, que estava fazendo show (esgotado) em Florença no mesmo dia que eu andava por lá, e trouxe Blood on the Tracks, Highway 61 Revisited e Blonde on Blonde. E mais Aretha, Toto, Nina, Mingus, sinfonias de Beethoven regidas por Bernstein, King Crimson... Vou soltando aqui, aos poucos, mas tem coisa boa na área. O blog está de volta e aproveito para deixar aqui um vídeo alto nível do Posada e o Clã que está no ar lá no tocavideos

8.11.11

Do estrangeiro

Na terra de Ennio Morricone, ontem o programa foi conferir um concerto em homenagem a Liszt no belo e espetacular auditorio Parco della Musica. O blog fica de férias até là pro dia 20, mas antes devo passar para falar ainda algo de Elbow, Pain of Salvation e Opeth, que vejo na semana que vem, jà em Parri.

4.11.11

PJ 20


Boa foto do Eddie Vedder no show de ontem em SP. Pesquei no site da Veja. Hoje tem mais uma dose, domingão eles pisam no Rio. Promete.

1.11.11

Dylan


Já começa a bater bem esse Dylan do (clássico) Highway 61, principalmente coisas como Ballad of a Thin Man; Desolation Row; It Takes a Lot to Laugh, It Takes a Train to Cry; e claro Like a Rolling Stone.