8.4.11

O novo do FF


Depois de quatro anos sem lançar um álbum, o Foo Fighters, de Dave Grohl, volta com Wasting Light, ótimo apanhado de 11 canções roqueiras, mas com forte veia pop também, como em Miss the Misery, Alandria e Dear Rosemary. O início já é uma pedrada: Bridge Burning, faixa que abre o disco, tem um super riff, com uma bateria nervosa e Dave Grohl entrando com um vocal bem característico, gritado; a segunda, o single Rope, é sensacional, com vocais dobrados e uma bateria esperta. Candidata a melhor do álbum e tem cheiro de coisa nova, de renovação por parte da banda. Wasting Light não bate como comida requentada e isso é ótimo. A banda passa mesmo por um bom momento criativo e Dave Grohl sabe das coisas. No momento toca White Limo, e é heavy metal puro.

Um comentário:

Bárbara disse...

Não sou ouvinte do FF, muito menos do Nirvana. Mas não se pode negar os méritos do ídolo grunge Kurt Cobain. Menos ainda o potencial de Dave Grohl, que tem talento como músico e compositor. Um cara que conseguiu mostrar que tem brilho próprio, desvencilhando-se da fama de ex-baterista do Nirvana e conquistando seu espaço à frente do Foo Fighters. Não posso negar isso, mas tb não sou capaz de superar a indigestão que tenho com relação ao som dos caras, e ainda não me agrada muito o vocal de Dave. Por outro lado não digo que nada que venha dele me agrada. Them Crooked Vultures é bem legal!