18.12.10

o tal Jeneci


A coisa hype em cima de algum artista muitas vezes me deixa distante, como vinha acontecendo, por exemplo, com Marcelo Jeneci, músico paulista badalado por aí com o seu Feito pra Acabar, que acaba de ser lançado. Resolvi ir ao youtube e conferir sua Quarto de dormir, linkada em facebooks amigos e afins. A introdução orquestrada me conquistou de primeira e em seguida, quando Jeneci entra com a bela letra, há um encontro da orquestração erudita com o canto dele, mais popular -- o que me lembra a coluna de Dapieve ontem no Globo sobre a falsa barreira entre a música clássica e a popular, mas isso é outra história. Jeneci mesmo, em sua entrevista no Segundo Caderno, havia falado sobre suas influências sem barreiras, chegando em coisas sertanejas, por exemplo. Voltando à música: o final cresce, fica com o arranjo cheio, do jeito que gosto, bate uma onda anos 70, que deixa a mistura ótima. Vou atrás do álbum. Enquanto isso, Tulipa, outra que vem na cola de Jeneci, também me fisgou com sua Efêmera, que tocou bem nas caixas do Morumbi minutos antes do show do Paul, entre os rocks habituais daquela coisa que lembra uma sala gigante de espera. No momento toca Felicidade, a primeira do álbum e, realmente, há algo bonito na música de Jeneci. É cedo ainda para falar do cd inteiro, mas espero que dure por aqui.

E, no mundo soul, o pessoal do Queremos conseguiu bater a meta do Mayer Hawthorne, que falei no post anterior. Teremos o show no dia 14, no Circo.

Nenhum comentário: