4.8.10

Tom Waits e suas canções

Depois de ficar muito tempo no álbum ao vivo Glitter and Doom, de Tom Waits, consegui finalmente ir até outro, e cheguei em Mule Variations, de 99, que acumula aquelas coisas como lugar na lista de 500 discos da Rolling Stone, indicações para o Grammy etc etc. Depois de passada uma certa estranheza com Big Japan, a faixa de abertura, o álbum caminha muito bem com foco no folk, como a ótima Hold On, que escuto sem parar. É fascinante o lado compositor de Waits, a impressão que fica ao ouvir seu disco inteiro é de que qualquer coisa está ao seu alcance - ou belas canções com piano e violões de fundo como Pony, House Where Nobody Lives, Georgia Lee e Picture in a Frame; ou Filipino Box Spring Hog, Get Behind the Mule e Cold Water, que seguem outro caminho menos doce, mais blueseiro experimental, às vezes meio barulhento, que é uma das marcas de sua música. O cd é longo, tem 16 faixas, mas segue bem do início ao fim, onde fecha com a ótima Come On Up to the House e aquela voz que só Tom Waits tem.

Um comentário:

fefiques. disse...

sou bem por fora mesmo de música internacional. então, não posso dar pitaco sem conhecer. mas o bom é que posso usar o seu blog exatamente pra me ajudar nisso ;)