1.6.09

A volta dos que não foram

Desde o dia que vazou o novo álbum do Dream Theater que me aplico diariamente. Quando capa e título foram liberados um tempo atrás, senti que algo poderia me surpreender, já que os dois últimos cds foram, de certa forma, irregulares. Aquela capa e o título remetiam a algo progressivo, outros tempos. Abrindo parênteses ,"Octavarium" tem seu valor, principalmente pela progressiva faixa-título e o último "Systematic Chaos" também tem algo, mas o que fica, depois de ouvir, é uma sensação de que muita coisa se perdeu no caminho.

Minhas primeiras impressões não estavam erradas, "Black Clouds & Silver Linings" é espetacular. Tem muita coisa de volta e exemplo disso são The Best of Times e The Count of Tuscany. Esta segunda, última do cd, é uma das melhores músicas da carreira da banda. O heavy metal, o progressivo e o rock voltaram a andar lado a lado em um cd do Dream Theater. É como se tivessem achado o eixo novamente. Certamente é o cd mais inspirado em anos. Está tudo lá. Na hora certa, na medida certa.

*Na foto, o vocalista James Labrie, um dos mais "beneficiados" com as novas composições.





Nenhum comentário: