6.4.09

radiohead

Todos os elogios exagerados em cima do Radiohead me distanciaram do som da banda ao longo desses anos. Apenas agora, depois de ouvir duas músicas do último "In Rainbows" e, me surpreender, resolvi ouvir o disco na íntegra. É o que faço no momento. Está na quinta faixa, "All I Need", tocando muito bem. A viagem é meio progressiva e cheia de cores. É preciso embarcar e deixar a música entrar.

Agora, depois de uma pausa para achar umas palavras de Mario Marques, do JB, já está na "Reckoner", a primeira que ouvi de fato e com os falsetes de Thom Yorke é uma das que mais gostei. Não conheço os outros discos do Radiohead, mas algo me diz que esse "In Rainbows" é o mais musical, viajante, progressivo, que me agradará mais. Não tenho interesse em avançar pela discografia.

Abaixo, as palavras excelentes de Mario Marques em sua coluna, dias antes da apresentação do Radiohead no Rio.

"E o Radiohead, o nome mais esperado no Brasil, hoje em dia faz... rock progressivo disfarçado no que a crítica, que não sabe como tachá-lo, classifica de experimental. Estamos mesmo numa entressafra. Não tem essa de que hoje não precisamos de artistas de arena. Que um Circo Voador basta. Não é. Caminhamos a passos largos para, no futuro, sonharmos com a música do passado, a boa. Seja progressivo, metal, jazz, rap, pop, blues, MPB, reggae e o escambau. Mas a boa."

Nenhum comentário: