7.12.07

Nina Simone

O ano de 2008 foi com certeza um ano que escutei mais jazz, passei por Miles através de dois grandes discos de duas fases bem distintas: "Kind of Blue" (1959) e "Tutu"(1986), o primeiro também tem livro lançado sobre suas sessões e o segundo tem Miles caindo em composições mais "pop" com a ajuda do incrível baixista Marcus Miller.

Também ouvi -- entre outros -- Herbie Hancock, Pat Metheny, "descobri" Ella Fitzgerald e ontem fui arrebatado por "High Priestess of Soul", de Nina Simone, entre vários outros nomes de folk e rock que uma amiga deixou por aqui.

<><><><><>

Amanhã tem Sting, Summers e Copeland no Maracanã. Continuo sem a empolgação que sempre toma conta por aqui em época de shows, mas estarei lá para ver minha preferida "King of Pain" e outras. Sting é um dos grandes músicos que admiro, talvez até mais em sua carreira solo do que no grupo, mas Police é grande, tem a excelente guitarra de Summers e a virtuose de Copeland na bateria. Super show com certeza, mas eu trocaria pelo também recém-reunido Genesis (mesmo sem Peter Gabriel).



Nenhum comentário: